16 de ago de 2010

Saber consolar a dor alheia a Luz de Deus

Início de 2005, tempos ruins para mim. Você fica no centro dos olhares, ficamos sendo alvos de julgamentos, e veem até nós todos os tipos de conselhos, mas também as mais variadas expressões de consolos. Pessoas que nos amam tentando aliviar a nossa dor, o interessante é que nestes consolos, muitos são consolos vazios mal direcionados e  que faz mais aumentar a nossa dor.

Neste tempo de tribulação, todos querem aconselhar... É incrível, você escuta cada conselho. Tem àqueles que tentam acertar, aqueles que pensam que estão acertando, tem aqueles que se esforçam para acertar... Refiro-me aos conselhos e consolos.

Não sabemos se somos nós que pela revolta do que está se passando, não conseguimos captar a boa intenção, ou são as boas intenções das pessoas que só tem intenção, mas não acertam no consolo.

Os que mais chegaram perto do consolo, foram àqueles que silenciaram perto de mim, me abraçaram, ficavam do meu lado sem falar nada, era como se dissessem: “Estou aqui, não sei o tamanho da sua dor, o que sentes, mas estou aqui”.

Numa manhã ao receber uma carta de um parente, consegui entender uma coisa interessante. Ao lê esta carta, senti dentro de mim, que devemos aprender a consolar a DOR dos outros, tendo que ser esse consolo vindo de Deus através de nós. Nesta mesma manhã ao abrir à bíblia, li a seguinte passagem bíblica:

Jó, 16
2. “Já ouvi muitas vezes tais coisas, consoladores importunos que sois, todos vós!
3. Pois me dizeis: ‘Não terão fim essas palavras de vento? ’ ou: ‘O que te move a retrucar assim? ’
4. Poderia, também eu, falar coisas semelhantes, se estivésseis vós no meu lugar. Comporia discursos a vosso respeito e balançaria minha cabeça contra vós


Jó, 19
2. “Até quando afligireis minha alma e me magoareis com vossos discursos?
3. Já por dez vezes me censurastes e não vos envergonhais de me oprimir.
4. Na verdade, mesmo que eu tivesse errado, meu erro importaria somente a mim.



Na história da bíblia, Jó passava por uma tempestade em sua vida, e tudo por permissão de Deus. Jó perde tudo, bens, família e até a sua saúde. Chegam quatro amigos, na qual três mais velhos tentam consolá-lo e o mais novo fica só no silencio observando, os três mais velhos tentavam consolar Jó, mas na verdade estavam cada vez mais o oprimindo.




Não é assim que fazemos com as pessoas, quando elas estão passando por uma tempestade? Desde desse dia, peço a Deus para me ensinar a consolar as dores alheias, e hoje tento não julgar, não condenar, não consolar de forma humana, peço ao Espírito Santo que me coloque as palavras certas, não posso expressar a minha opinião humana, a alma dolorida já está cheia disso. Aprendi também que não é bom buscarmos consolo em muitas pessoas, pois muitas delas nao entenderão na profundidade espiritual a situação, e tentam fazer como esses três amigos de Jó.

Os três "amigos" de Jó nao entendiam que ele estava passando por uma dificuldade por permissão de Deus, e não por tinha errado por Deus. Mas esses três amigos, estavam falando pelo o que estavam vendo.


Vinde a mim, vós todos que estais aflitos sob o fardo, e eu vos aliviarei. (Mt 11,28)

Ao ver um homem embriagado na rua, hoje lhe entendo que por detrás daquilo, existe uma alma com feridas, traumas. Para nós é muito fácil chegar para esse pobre homem e dizer: Pare de beber, homem!

Quando estamos alcoolizados, parece que o álcool é como uma anestesia, ela nos faz “aliviar” mesmo de forma temporária, uma dor que carregamos em nossas vidas. Vivemos por viver.



É muito fácil chegar para um homem acorrentado pelas drogas, e dizer: Deixe essa maldita droga! Ela está te matando

É muito fácil, chegar para um pecador e julgá-lo tentando orientá-lo a não pecar mais.

Tento não colocar mais peso nas pessoas, peço ao Senhor que me dê um olhar e um coração misericordioso, olhar a alma com um olhar de JESUS, que olha com compaixão, um olhar não de julgamento. Busco entender a alma sofrida, busco não condenar, acolhendo-a no meu coração, e tentando ser CIRINEU, que ajudou a carregar a cruz de Cristo. Dessa forma, creio que conseguirei aliviar um pouco a dor desta alma e conseguir tirá-la da lama. Depois lhe anuncio a boa nova, um novo tempo, lhe animo dizendo que depois da dor virá à alegria.

“Porque vós não vos comprazeis em nossa perda: após a tempestade, mandais a bonança; depois das lágrimas e dos gemidos, derramais a alegria.”




“Eis que o inverno passou, cessaram e desapareceram as chuvas”
Ct 2, 11




Descansa Em Mim
Walmir Alencar  

Vim descansar meu coração
Em teus braços repousar
Porque confio... Deixo meu fardo em tuas mãos


Eu vim deixar teu amor tocar
As feridas e o lugar
Onde sozinho eu não posso alcançar

Teu jugo é suave
Teu peso é leve
Descanso minha alma em teu coração
Teu jugo é suave
Teu peso é leve
E manso e humilde teu coração
Descanso em ti ah ah ah ah

Vem, descansar teu coração
Em meus braços repousar
Vem e confia... Poe o teu fardo em minhas mãos

O vem! Deixa o meu amor tocar
AS feridas e o lugar
Onde sozinho já não podes alcançar

Meu jugo é suave
Meu peso é leve
Descansa tua alma em meu coração
Meu jugo é suave
Meu peso é leve
Emanso e humlide meu coração
Descansa em mim




Nenhum comentário:

Postar um comentário