1 de mai de 2013

Afastamos as pessoas da igreja, onde deveríamos acolhê-las

No início somos muito radicais,
É certo que o Espírito Santo faz uma revolução dentro de nós,
removendo o homem velho e nos dando novas vestes,
iniciando aí um processo de cura e conversão.

Sentimos algo novo, nos libertamos, não entendemos bem o que está acontecendo,
mas sentimos algo diferente e novo.
É tão bom que queremos experimentar mais e mais,
Não somos mais os mesmo, e passamos a aderir pela causa do Reino,
Por não entendermos bem, por ainda estar no início,
o sentimento também é misturado pela empolgação,
na qual é natural no início.

Estamos no processo de várias outras curas dentro de nós,
Como escamas que caíram de nossos olhos,(At 9,18)
Ficamos enxergando por parte a Verdade, para a real situação do mundo ao nosso redor,
 E por isso, buscamos com todas as nossas forças viver aquilo que nos é ensinado.
 
Geralmente, no início do processo, passamos a ser radical conosco mesmo
e com os outros,
Por percebemos essa verdade, queremos ensiná-la, queremos mostrar a verdade aos outros,
com boa intenção queremos que as pessoas experimentem o que nós experimentamos,
Mas ainda existem ações humanas, pode existir Espirito Santo, mas tem atitudes humanas,
faltando muitas vezes misericórdia com os outros e conosco mesmo.
Não respeitando o tempo e o espaço das pessoas e o nosso, onde acabamos assustando
e afastando as pessoas, ao invés de evangeliza-la.
Chegamos a colocar peso nas pessoas, ao invés de tentar remover.
Vivemos o tal do proselitismo.

Passamos a cobrar santidade dos outros,
Ficamos inquietos com ações de pecados,
Agimos pelo impulso, falamos, gritamos a verdade, apontamos erros e pecados dos outros.
Pensamos estar hasteando a bandeira de Cristo, mas estamos hasteando a nossa própria
bandeira, o nosso nome.
Vivemos meio que por aparência, mas preocupados com os que os outros irão pensar,
onde ao invés deveríamos estar preocupados em não magoar o coração de Deus.
Agimos mais pela emoção, adoramos pela emoção, nos entregamos pela emoção, mesmo na reta intenção.

Mas com o tempo, começa a vir o desanimo,


E agora achamos  que nossa experiência foi só uma emoção do momento,
Nos desfalecemos, e sem mesmo percebermos o homem velho vem nos visitar,
e vem acompanhado de mais "homens velhos".

E nessa fase, a luta do homem velho com o novo é mais intenso, é mais cansativo, é mais forte,pelo fato de já conhecer a verdade. PERDEMOS E CAÍMOS, por que lutamos contra o homem velho com nossas próprias forças.


caímos
caímos pela língua,
caímos pela falta de misericórdia,
caímos pela omissão,
caímos em julgar os outros,
caímos por querer ser mestre,

Aí vem a MISERICÓRDIA

É nesse momento que vem a oportunidade de aprendermos o ensinamento MAIOR desses últimos tempos,
que é a MISERICÓRDIA.

O Senhor tem me ensinado que MAIOR é a MISERICÓRDIA e não SACRIFICIOS (Os 6,6).
Não nos adianta estarmos fazendo todos os rituais, mas o coração cheio de nós mesmos,
sem CARIDADE.


Passamos a olhar a situação com mais misericórdia, com mais discernimento e prudencia,

Silenciamos mais,

Percebemos que as pessoas passam, que não posso me segurar nas pessoas, no padre,no coordenador, nas pessoas dentro da igreja,

Percebemos que o silêncio tem mais força que palavras,

Percebendo que cada coisa tem seu tempo,

Percebemos que cada pessoa tem seu tempo de conversão,


Não mudamos as pessoas, podemos ser sinais, ser sal e luz, para elas, mas quem muda é Deus,
Apenas colocamos sementes nelas.

Percebemos o nosso papel de discípulo, de servo, de evangelizador, de verdadeiro cristão, podemos ajudar  a formar, orientar, a ensinar, mas tudo pela inspiração do Espirito Santo, com CARIDADE, pois sem isso, afastamos as pessoas da igreja, onde deveríamos acolhê-las, e percebemos que somos tão cheio de defeitos quanto elas.

Sabemos que existem regras, mas não esqueçamos da CARIDADE. Se formos radicais, sejamos radicais no AMOR, na MISERICÓRDIA.

A MISERICÓRDIA de JESUS pode as vezes causar indignação nas pessoas, em achar que só alguns são dignos delas e outros não, colocando uma parâmentro uma medida de pecado para que a MISERICÓRDIA se manifeste, mas o entendimento humano, não é capaz de entender que a MISERICÓRDIA de Deus não tem MEDIDA, não tem LIMITES, é mais PROFUNDO que possamos entender. E muidos podem se perder por não acharem dignos dessa MISERICÓRDIA.

"Coloquem a esperança na Minha misericórdia os maiores pecadores. Eles têm mais direito do que outros à confiança no abismo da Minha misericórdia. (…) A estas almas concedo graças que excedem os seus pedidos." (D. 1146).

Eu sofri isso....
Não por que fui julgado, discriminado, esquecido, não.... isso também aconteceu comigo e talvez esteja até acontecendo.

Mas digo que sofri, por que fiz o papel do julgador,
do radical com os outros (deve existir sim um radicalismo na vivencia do evangelho, mas conosco mesmo e com misericórdia também),
De querer mudar os outros "na força",
Queria converter mais pelo medo de Deus do que por anunciar a coragem que Deus nos dá,
Coloquei peso, ao invés de ser um Cirineu e ajudar a carregar a cruz,
Quiz mais falar ao invés de escutar,
Fui pedra de tropeço ao invés de ser ponte,
Deixei ser usado pelo mal, ao invés de ter feito papel de anjo.
De hastear a minha bandeira, através da bandeira de JESUS CRITO.
De depender de minhas forças, ao invés de saber que quando estou fraco é que estou forte.(II Cor 2,19)
De usar meu corpo para coisas abomináveis, ao invés de usá-los para causa do REINO,


Bem... acho que é isso.

Espero que compreendam e me perdoem por algo.

Louvado seja Jesus Cristo
Bendita seja Mãe Santíssima.

Obrigado Senhor pela tua misericórdia.


Irmãos, se alguém for surpreendido numa falta, vós, que sois animados pelo Espírito, admoestai-o em espírito de mansidão. E tem cuidado de ti mesmo, para que não caias também em tentação! (Gálatas 6, 1)



Nenhum comentário:

Postar um comentário