20 de fev de 2014

ANSIEDADE x PAZ

Ansiedade

Estamos inquietos muito inquietos, com uma ansiedade medonha, estamos paralisados por picuinhas, bobagens, besteiras, conversinhas vazias e vãs nossos e com os dos outros, que nos impedem de crescermos espiritualmente, profissionalmente e como pessoas.  Tantos tesouros disponíveis, mas estamos aceitando os lixos que estão nos oferecendo, pois eles são mais prazerosos e não são chatos. Mas em compensação estamos ficando vazios, medíocres, inquietos, ansiosos, excessivamente preocupados e cada vez mais estamos ficando perdidos e enrolados em nós mesmos.

Estamos mais dependentes da criatura ao invés do Criador.  Estamos mendigando amor e atenção dos outros.

Estamos muito inquietos com os problemas, esses que não confiamos em desabafar em oração, acumulando mais e mais dentro de nós. Ao invés disso, queremos desabafar para a criatura, para os "facesbooks" da vida, como se ele fosse um ponto de desabafo que aliviasse a dor, a inquietação interior, mas essas buscas vai aumentando mais perguntas e angustias dentro de nós. Estamos buscando respostas para essas ansiedades nas pessoas erradas, lugares errados e de formas erradas, aumentando mais a ANSIEDADE que SUFOCA!

Estamos ainda presos ao passado, preocupados com o futuro e perdendo a beleza do momento, do presente.



Agora a PAZ...
"Não vos inquieteis com nada!
Em todas as circunstâncias apresentai a Deus as vossas preocupações,
mediante a oração, as súplicas e a ação de graças". (Fl 4,6)

Mas na busca de Deus de forma lenta e progressiva, Ele vais nos revelando as suas coisas. Cada um de forma diferente. Passamos a enxergar mais além, e percebemos que muitas coisas que falávamos, escutávamos e víamos são "lixos espirituais" para a nossa alma.

"Como crianças recém-nascidas desejai com ardor o leite espiritual que vos fará crescer para a salvação," (1Pd 2,2)

No início ficamos chateados em ver tantas almas "comendo lixo do chão" havendo um "banquete preparado do céu". Essa é uma expressão espiritual que o céu nos revela para entender a situação de nossas almas. A sensação de MEDIOCRIDADE nos incomoda. Incomoda por nós mesmos, e pelos os que estão ao nosso redor.
Mais com o tempo, o céu vai nos acalmando, e nos mostrando que nós por nós não somos capazes de nada. Que a verdade revelada deve ter como nossa resposta, a nossa mudança interior, radicalidade em nós mesmos e não com os outros. Nossa oração, nossa mudança e nossa misericórdia. Que ainda continuamos tão cheio de defeitos como antes, sendo que agora podemos enxergá-los melhor.
"Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso espírito, para que possais discernir qual é a vontade de Deus, o que é bom, o que lhe agrada e o que é perfeito". (Rm 12,2)

Mas por misericórdia, aos poucos a paz vai nos invadindo, o silêncio também. Começamos a aprender que o nosso silêncio contemplativo tem mais força do que palavras, que nosso sorriso, compaixão o abraçar  pode tocar a alma mais do que palavras. Vamos percebendo que nossas palavras só nas palavras, nos dá sensação de “falta de algo”, algo incompleto dentro de nós. É como se somente palavras não adiantassem mais, e que Deus quer atitudes.  É como vi pixado num muro: 
 - PALAVRAS, + ATITUDES.

“... se a alma ama sinceramente a Deus e está unida com Ele interiormente, ainda que exteriormente se encontre em condições difíceis, nada consegue perturbar o seu interior e, mesmo no meio da corrupção, pode permanecer pura e íntegra, porque o grande amor a Deus lhe dá força para a luta, e também Deus a defende de maneira especial, até milagrosamente, se O ama sinceramente” (Diário, 1094).

Cada vez mais temos sede de Deus e queremos se saciar dessa água que tomamos cada vez mais.

"Respondeu-lhe Jesus:
Todo aquele que beber desta água tornará a ter sede, mas o que beber da água que eu lhe der jamais terá sede. Mas a água que eu lhe der virá a ser nele fonte de água, que jorrará até a vida eterna". (Jo 4,13 -14)


 Jesus vai aos poucos nos dominando, nasce em nós um desejo de ser Dele, de se consagrar a Ele oferecendo-Lhe nossas vidas. Buscamos consolá-Lo dos insistentes agrafos que nós comentemos contra Ele.  Passamos a contemplá-Lo nas coisas pequenas, nas pequenas criaturas, nos fracos, no silencio, no deserto, em toda providência que nos é agraciada.
Muitas coisas que enxergávamos como “bonitas” ao mundo, percebemos o feio que existe nelas, certos prazeres tornam em nós um sentimento  de nojo,  um sentimento de repugnância. A tendência é afastarmos dos aplausos, dos elogios, das vaidades.

"Como a corça anseia pelas águas vivas,
assim minha alma suspira por vós, ó meu Deus". (Sl 41,2)

Percebemos que muitas coisas aqui também são ilusões, coisas passageiras, e que o final não é aqui. Ficamos tristes em ver que muitos investem mais aqui nesse mundo, cegados pelas armadilhas que aqui existem, tirando-lhes do foco o ESSENCIAL, que é Deus.
Mas Deus nos pede que continuamos a VIVER A VIDA, a cada um ele sacia com uma alegria diferente, uma paz e alegria vinda Dele, cada um de forma diferente, vivemos de forma mais intensa, mais confiante, aproveitando os momentos com os nossos familiares, amigos, apreciando Deus nas coisas ao nosso redor, vive-se de forma prazerosa e saudável para o corpo e a alma. Amar as pessoas que estão próximas, viver com elas, brincar com elas, sorrir e chorar, viver a cada dia, confiando sempre na PROVIDENCIA DIVINA. Vamos enfrentando as dificuldades com mais confiança, sabendo que a ajuda de Deus não lhe vai falhar. Parece que nos foi dado uma armadura, onde notícias ruins, coisas ruins ao nosso redor, não nos abala. A nossa fé que antes era pequena como uma semente de mostarda, está num tamanho, que passamos achar que somos loucos ou indiferentes as coisas desse mundo, pois a nossa confiança na sua providência está mais viva e estamos meio que calmos. é uma PAZ, É um refrigério dentro de nós. Passamos até a sonhar voando..rsrs.

Quando chegar o tempo certo, confiando na MISERICÓRDIA diremos a Deus como àquele ladrão falou para JESUS na Cruz.:
" Jesus, lembra-te de mim,
quando tiveres entrado no teu Reino!" (Lc 23,42)
Veremos toda a nossa vida passar por nós,  e  aqueles que escutaram a voz de Deus na igreja e que confiaram sua MISERICÓRDIA não terá pânico, mas dormirá em paz no descanso eterno.








“Diz aos pecadores que ninguém escapará ao Meu braço. Se fogem do Meu misericordioso Coração, hão-de cair nas mãos da Minha justiça. Diz aos pecadores que sempre espero por eles, presto atenção ao pulsar dos corações deles, para ver quando batem por Mim. Escreve que falo a eles pelos remorsos da consciência, pelos malogros e sofrimentos, pelas tempestades e raios; falo pela voz da Igreja e, se menosprezarem todas as Minhas graças, começarei a Me zangar com eles, deixando-os a si mesmos, e dou-lhes o que desejam” 
(Diário, 1728).




Tarde Vos amei, 
ó Beleza tão antiga e tão nova,
 
tarde Vos amei!
 
Eis que habitáveis dentro de mim,
 
e eu, lá fora, a procurar-Vos!
 
Disforme, lançava-me sobre estas formosuras que criastes.
 
Estáveis comigo e eu não estava Convosco!
 
Retinha-me longe de Vós
 
aquilo que não existiria,
 
se não existisse em Vós.
 
Porém, chamastes-me,
 
com uma voz tão forte,
 
que rompestes a minha Surdez!
 
Brilhastes, cintilastes,
 
e logo afugentastes a minha cegueira!
 
Exalastes Perfume:
 
respirei-o, a plenos pulmões, suspirando por Vós.
 
Saboreei-Vos
 
e, agora, tenho fome e sede de Vós.
 
Tocastes-me
 
e ardi, no desejo da Vossa Paz"

Santo Agostinho

Nenhum comentário:

Postar um comentário